Razão 10 | As crianças com autismo merecem ABA porque há mais evidência científica para demonstrar que a ABA "funciona" do que para qualquer outra intervenção ou tratamento

Razão 10 | As crianças com autismo merecem ABA porque há mais evidência científica para demonstrar que a ABA

05 de Fevereiro, 2018

Razão 10 | As crianças com autismo merecem ABA porque há mais evidência científica para demonstrar que a ABA "funciona" do que para qualquer outra intervenção ou tratamento

 

"Esta razão é, muitas vezes, a razão mais importante para os analistas comportamentais, mas nem sempre é assim para os pais de crianças com autismo. Os pais raramente citam as muitas centenas, talvez milhares, de estudos publicados na revista Journal of Applied Behavior Analysis e noutras revistas quando questionados por que razão eles escolheram ABA para ajudarem os seus filhos com autismo. Em vez disso, muitos pais apontam para um livro apenas: Let me Hear Your Voice, de Catherine Maurice.
O livro de Maurice conta a história da sua família, com duas crianças diagnosticadas com autismo, como usaram as intervenções comportamentais e os progressos notáveis que ambos os filhos fizeram – ambos adquiriram tantas competências que perderam os seus diagnósticos originais. De facto, a investigação diz-nos que bastantes crianças diagnosticadas com autismo, talvez 40-50 por cento, podem aprender o suficiente para voltar a integrar salas de aula regulares se receberem suficientemente cedo intervenções de alta qualidade, intensivas e baseadas em evidências (Helt et al., 2008; Lovaas, 1987; McEachin, Smith, Lovaas, 1993; Rogers & Vismara, 2008). Para estas crianças e respetivas famílias afortunadas, a ABA claramente "funcionou."
Mas eu gostaria de sugerir que a ABA pode "funcionar" de outras formas também. Muitos de nós, que fomos inspirados a iniciar o caminho ABA pelo livro de Maurice, percebemos a determinado ponto que os nossos filhos não vão perder os seus diagnósticos e que eles não vão para o ensino regular. No entanto, a ABA "funcionou" para eles. A ABA trabalhou para lhes ensinar competências, para lhes ensinar independência, para os ensinar a falar, usar a casa de banho ou dormir durante a noite, ganhar as competências de que precisam para manter empregos como adultos. Precisamos de ampliar a nossa compreensão do que significa "funcionar" e nós, pais, precisamos de falar mais persuasivamente sobre a diferença que a intervenção comportamental fez nas vidas dos nossos filhos. Assim, seguindo uma sugestão do livro de Maurice, vou contar-vos algumas histórias sobre o meu filho, Ben, e tentar explorar como a ABA funcionou com ele e connosco."

 

Seguinte

 

Excerto do artigo de Mary Beth Walsh, do Caldwell College dos E.U.A., que apresenta os benefícios da intervenção ABA no autismo através do uso de humor e anedotas, sob a forma de uma “Lista Top Ten", e ilustrando a maioria dos pontos com histórias de uma criança com autismo (o seu filho, Ben). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3196209/