História

A ABA consiste no ramo de aplicação prática da ciência comportamental. Destaca-se, no seu historial, o nome de B.F.Skinner que desde a década de 30 desenvolveu um importantíssimo trabalho na compreensão dos princípios que regem o comportamento. Salientam-se, aqui, algumas das suas publicações: The Behavior of Organisms (1938); Walden Two (1948); Science & Human Behavior (1953); Verbal Behavior (1957); The Technology of Teaching (1968); Beyond Freedom & Dignity (1971); About Behaviorism (1974).


Nas décadas de 50 e 60 diversos investigadores (por ex.º: Bijou, Baer, Ferster and DeMyer, Lindsley) procuraram descobrir se os princípios gerais do comportamento descobertos em contexto laboratorial com animais se aplicavam de igual modo a sujeitos humanos. Esta fase foi fundamental para estabelecer a eficácia da intervenção comportamental e despoletou o movimento da Applied Behavior Analysis.

 

 

Data de 1959 a publicação do artigo “The Psychiatric Nurse as a Behavioral Engineer” de Ayllon and Michael considerado o marco inicial da ABA. Neste artigo os autores descrevem o impacto que a aplicação de algumas técnicas comportamentais, por parte do pessoal de enfermagem de um hospital psiquiátrico, pode ter na melhoria do funcionamento de doentes com atraso mental ou perturbações psicóticas.


Nos Estados Unidos da América surgiram programas universitários em Análise Comportamental na década de 60.


Em 1968 foi criado o Journal of Applied Behavior Analysis que ainda hoje se mantém no ativo e promove a divulgação de estudos e avanços que a comunidade científica de todo o mundo produz na área da Análise Comportamental.


Em 1998 nasceu o Behavior Analyst Certification Board (BACB) que é a entidade que regula a atividade dos analistas comportamentais.